Impactos do Ato pela Educação

No dia 22 de julho, os servidores que aderiram à Greve realizaram o Ato pela Educação, que reuniu cerca de 100 servidores da UFABC, integrantes de outras categorias e movimentos sociais, que realizaram caminhada no percurso partindo do Bloco B da UFABC até a prefeitura de Santo André, paralisando as principais avenidas que compunham o trajeto.

Com faixas, cartazes, apitos, nariz de palhaço e acompanhados por um carro de som, a marcha apresentou um caráter muito positivo ao denunciar à sociedade, por um lado, a austeridade do Governo Federal privilegiando o ajuste fiscal, precarizando o setor público, em especial as instituições federais de ensino, com um corte orçamentário de 9,4 bilhões para a Educação, impactando diretamente na concessão de bolsas para a graduação (a exemplo do PIBID), nos investimentos em projetos de extensão e nas pesquisas da pós-graduação, em detrimento do pagamento da dívida pública – que nunca foi auditada e pode ser ilegal – na qual consome 47% do orçamento da União; e por outro, a intransigência e falta de disposição política da reitoria da UFABC em apresentar propostas concretas à nossa pauta local. Em termos de desrespeito à categoria, as duas situações são extremamente semelhantes.

 

O Ato pela Educação teve a cobertura da imprensa local, que deu ampla divulgação às nossas solicitações estampadas nas capas dos jornais impressos e digitais: ABCD Maior e Diário do Grande ABC. A categoria pode observar nos links abaixo:

 

Matéria no ABDC Maior.

Matéria no Diário do Grande ABC.  

 

 

Cordialmente,

Comando Local de Greve dos Servidores TA's da UFABC.