Situações de assédio moral no trabalho

O assédio moral, segundo Hirigoyen (2006), pode se manifestar sob diversas formas, como as apresentadas a seguir em quatro tipos que representam as situações que ocorrem com maior frequência:

 

DEGRADAÇÃO PROPOSITAL DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO

  • Retirar da vítima a sua autonomia;
  • Não transmitir informações úteis para a realização de tarefas;
  • Contestar sistematicamente as decisões da vítima;
  • Criticar seu trabalho de forma injusta ou demasiada;
  • Privar a vítima de acessar seus instrumentos de trabalho: telefone, fax, computador etc.;
  • Retirar o trabalho que normalmente lhe compete e dar permanentemente novas tarefas;
  • Atribuir proposital e sistematicamente tarefas inferiores ou superiores às suas competências;
  • Pressionar a vítima para que esta não exija seus direitos;
  • Agir de modo a impedir ou dificultar que a vítima obtenha promoção;
  • Causar danos em seu local de trabalho;
  • Desconsiderar recomendações médicas;
  • Induzir a vítima ao erro.
Imagem: cartilha 'Assédio Moral no Trabalho: uma violência a ser enfrentada'.

 

ISOLAMENTO E RECUSA DE COMUNICAÇÃO

  • Interromper a vítima com frequência;
  • Não conversar com a vítima, tanto os superiores hierárquicos quanto os colegas;
  • Comunicar-se unicamente por escrito;
  • Recusar contato, inclusive visual;
  • Isolar a vítima do restante do grupo;
  • Ignorar sua presença, e dirigir-se apenas aos outros;
  • Proibir que colegas falem com a vítima e vice-versa;
  • Recusa da direção em falar sobre o que está ocorrendo.

 

ATENTADO CONTRA A DIGNIDADE

Imagem: cartilha 'Assédio Moral no Trabalho: uma violência a ser enfrentada'.
  • Fazer insinuações desdenhosas;
  • Fazer gestos de desprezo para a vítima (suspiros, olhares, levantar de ombros, risos, conversinhas etc.);
  • Desacreditar a vítima diante dos colegas, superiores ou subordinados;
  • Espalhar rumores a respeito da honra e da boa fama da vítima;
  • Atribuir problemas de ordem psicológica;
  • Criticar ou brincar sobre deficiências físicas ou de seu aspecto físico;
  • Criticar acerca de sua vida particular;
  • Zombar de suas origens, nacionalidade, crenças religiosas ou convicções políticas;
  • Atribuir tarefas humilhantes.

 

Imagem: cartilha 'Assédio Moral no Trabalho: uma violência a ser enfrentada'.

VIOLÊNCIA VERBAL, FÍSICA OU SEXUAL

  • Ameaçar a vítima de violência física;
  • Agredir fisicamente;
  • Comunicar aos gritos;
  • Invadir sua intimidade, por meio da escuta de ligações telefônicas, leitura de correspondências, e-mails, comunicações internas etc.;
  • Seguir e espionar a vítima;
  • Danificar o automóvel da vítima;
  • Assediar ou agredir sexualmente a vítima por meio de gestos ou propostas;
  • Desconsiderar os problemas de saúde da vítima.

 

 

EXEMPLOS DE FRASES

Muitas vezes o assédio moral se manifesta por meio de frases discriminatórias.

A seguir listamos alguns exemplos para identificar essa prática, retirados de www.assediomoral.org.br:

“Você é mesmo difícil… Não consegue aprender as coisas mais simples! Até uma criança faz isso… Só você não consegue!”
“É melhor você desistir! É muito difícil e isso é para quem tem garra! Não é para gente como você!”
“Não quer trabalhar… fique em casa! Lugar de doente é em casa!”
“A empresa não é lugar para doente. Aqui você só atrapalha!”
“Seu filho vai colocar comida em sua casaNão pode sair! Escolha: ou trabalha ou toma conta do filho!”
“Você é mole… frouxo… Se você não tem capacidade para trabalhar… Então porque não fica em casaVá para casa lavar roupa!”
“Não posso ficar com você! A empresa precisa de quem dá produção, e você só atrapalha!”
“É melhor você pedir demissão… Você está doente… Está indo muito ao médico!”
“Para que você foi ao médicoQue frescura é essaSe quiser ir para casa de dia… tem de trabalhar à noite!”
“Ah… essa doença está muito boa para você! Trabalhar até às duas e ir para casa. Eu também quero essa doença!”
“Não existe lugar aqui para quem não quer trabalhar!”
“Se você ficar pedindo saída eu vou ter de transferir você de empresa/de posto de trabalho/de horário…”
“Como você pode ter um currículo tão extenso e não conseguir fazer essa coisa tão simples?”
“Você me enganou com seu currículo… Não sabe fazer metade do que colocou no papel.”
“Vou ter de arranjar alguém que tenha uma memória boa para trabalhar comigo, porque você… esquece tudo!”
“A empresa não precisa de incompetentes iguais a você!”
“Ela faz confusão com tudo… É muito encrenqueira! É histérica! É mal casada!”.

 

Referência Bibliográfica:

HIRIGOYEN, Marie-France. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. 3ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

 

Fonte: Cartilha "Assédio Moral no Trabalho: uma violência a ser enfrentada", concebida pelo Núcleo de Estudos do Trabalho e Constituição do Sujeito (Universidade Federal de Santa Catarina), disponível em http://neppot.ufsc.br/?page_id=78, acesso em 24 jul. 2017.